h1

Prefere água da torneira a água engarrafada

26/02/2010

Prefere água da torneira a água engarrafada.

No restaurante, se te apetece beber água, não te sintas intimidada/o e pede um jarro ou copo de água da torneira.

Segundo um relatório da World Wide Fund for Nature de 2001, cerca de 1,5 milhões de toneladas de plástico são usadas para engarrafar cerca de 89 mil milhões de litros de água anualmente. E como fardo para o ambiente acresce a isto, naturalmente, a energia gasta na produção e no transporte destas garrafas.

A reutilização das garrafas de água é preconizada por muitos como uma alternativa ambientalmente positiva, mas, na realidade, à medida que as garrafas envelhecem aumenta a libertação de ftalato, um composto químico que torna o plástico mais flexível e, eventualmente, deletério para a saúde.

A criação de unidades locais de engarrafamento de água para minimizar os custos energéticos do transporte parece ser uma opção ambientalmente razoável, mas documentou-se já que isso prejudica a qualidade final da água.

A água da torneira é comparativamente mais barata do que a água engarrafada, e, num estudo realizado pela cadeia televisiva Showtime em 1999, 75% dos residentes nova-iorquinos preferiram a água da torneira à água engarrafada em prova cega.

As empresas municipais de distribuição de água são obrigadas por lei a proceder a controlos de qualidade, de nível químico e microbiológico, com maior frequência do que as empresas que engarrafam água, estando estas até livres de testarem a sua água para a presença do Cryptosporidium, um dos agentes microbiológicos veiculado na água responsáveis por vários surtos de doença intestinal em diversos locais do planeta.

Segundo o relatório anual de 2008 da EPAL referente à qualidade da água para consumo humano, das 1256 amostragens realizadas nas torneiras de habitações da cidade de Lisboa, em 99.89% cumpria-se os valores paramétricos globais determinados na lei nacional da qualidade da água para consumo humano.

Ainda assim, nem a água da torneira está livre de ser contaminada por determinados químicos ou microrganismos. Recentemente tem recebido maior atenção a utilização de filtros para a água municipal, aparentemente capazes até de remover o Cryptosporidium, sem necessitarem de quantidade significativa de energia para funcionarem, e com um preço final bem mais económico do que a água engarrafada. Talvez uma solução a merecer uma reflexão mais séria.

Anúncios

3 comentários

  1. Eu bebo água de garrafa,porque não tenho água directa,a minha água vai para um deposito como tal ganha detritos que podem ser prejudiciais para a saúde,como devo proceder para não beber água de garrafa?


    • O caso da sua casa parece excepcional, nesse caso a garrafa parece mesmo ser a única alternativa viável.
      No entanto, fora de casa pode sempre tentar optar pela água da torneira, em restaurantes, cafés, no escritório, etc.


  2. Muito interessante…o planeta necessita de novas ideias, realistas, não esquecendo a tecnologia disponivel neste momento! Força!



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: