h1

Cortar 10% de emissões ao longo de 2010

21/02/2010

Em poucas semanas já somos 74 casas,151 pessoas

Vamos dar o próximo passo.

Novidades em breve aqui no site.


>> Imprime e preenche a CHECKLIST.

>> Troca dicas connosco para juntos pouparmos 10%.

Queres saber mais sobre o 10:10 Pt? Segue este link.

h1

Detergentes amigos do ambiente

25/03/2010

Dica enviada por um participante 10:10:
“acabei de experimentar uma marca «ecover», disponível nas grandes superfícies e que é amiga do ambiente, biodegradável e não poluente. Há um produto específico para cada caso (máq roupa e louça, amaciador,lava-tudo, wc) e estou muito satisfeita devido à boa qualidade.
Já agora, e a nível dos detergentes em geral, sugiro que usem somente metade das doses recomendadas (por ex: meia pastilha na máq louça). Fico tudo bem lavado na mesma e ao reduzir o gasto para metade, poupa-se o ambiente e muito dinheiro!”

h1

Tens mesmo noção de quanto um vôo polui?

08/03/2010

> Tens noção de que um vôo ida-e-volta Lisboa-Paris emite practicamente tanto CO2 por passageiro quanto tu emites no consumo de electricidade lá em casa durante o ano inteiro?

> Sabias que um vôo ida-e-volta Lisboa-Paris emite practicamente tanto CO2 por passageiro quanto tu poupas de deixares o carro desligado durante o ano inteiro?

> Sabias que ao combustível usado pelos aviões não é cobrado imposto; e que, se fosse mesmo cobrado um imposto idêntico ao que em Portugal é cobrado aos combustíveis em terra, uma viagem ida-e-volta Lisboa-Paris ficaria cerca de 150€ mais cara por pessoa? Com esse aumento terias feito todas as viagens que fizeste no ano passado?

> Tens noção de que, quando podes optar por trocar o avião pelo comboio. essa opção resulta em pelo menos dez vezes menos emissões por passageiro?

Não feches os olhos nem deixes que o marketing das viagens baratas de avião te engane. Informa-te.

Para muitos de nós, voar menos é o objectivo mais difícil de todos. Mas em muitos casos é possível reduzir em muito.

Ideias não faltam:

– Vai para fora cá dentro.
Dá mais importância a este velhinho slogan. Tens muito que explorar perto de ti, à distância de uma viagem de comboio, carro ou barco. Poupas em emissões e em tempo de viagem, ajudas a economia local, e em muitos dos casos divertes-te tanto como num destino remoto.

– Quando o destino o permite, opta pelo comboio, barco ou mesmo o carro.
Optar pelo comboio emite pelo menos dez vezes menos CO2 por passageiro que por avião. Comprova-o aqui. Barco e carro também são bem menos poluentes. Sim, provavelmente demora mais tempo, mas não tem de ser tempo perdido.

– Faz menos viagens, e com estadias mais longas.
Se vais mesmo fazer a tal viagem de avião, aproveita-a bem e tira mais dias de férias, em vez de fazeres duas ou mais viagens curtas de avião. Combate o conceito de viagem de avião de fim de semana: já reparaste que esse conceito não existia há poucos anos atrás e que só é possível para muitos porque as emissões de avião não são devidamente taxadas?

– Escolhe a viagem de avião mais curta.
Se tens mesmo de fazer a tal viagem de avião, sê exigente na tua escolha de itinerário. Não escolhas itinarários que percorrem o dobro da distância só porque assim poupas uns euros – sê responsável.

– Faz o mínimo de mudanças de vôo até ao teu destino
Talvez te surpreenda, mas a descolagem e aterragem consomem tanto combustível quanto 800 kms no ar! Por isso, se tens mesmo de ir de avião, faz um esforço por chegares ao destino com o mínimo de vôos diferentes. Se tiveres vôos directos para o destino, opta por esses, mesmo que sejam um pouco mais caros – poupas nas emissões e é muito mais rápido e confortável. Se não houver vôos directos para o teu destino, apenas para uma cidade próxima, então pondera apanhar esse vôo directo e depois chegar ao teu destino usando o comboio ou autocarro.

– Opta por videoconferência/teleconferência para evitares algumas viagens de trabalho
O objectivo de muitas viagens de trabalho pode ser assegurado à distância por videoconferência ou teleconferência, com custos monetários e ambientais residuais. Pondera estas alternativas sempre que tal faça sentido.

Muitos portugueses passam o ano todo sem fazer qualquer viagem de avião, ou fazem uma no máximo. Pensa bem se não és capaz do mesmo este ano.

h1

Prefere produtos biológicos

05/03/2010

Prefere produtos biológicos, livres de pesticidas e adubos químicos: frutas, legumes, lacticínios, vinhos, enchidos.
Basta procurar o selo “Agricultura Biológica” ou “Protecção Integrada“.

Mas não te deixes enganar pelo rótulo biológico: não estragues tudo comprando produtos só porque são biológicos, esquecendo de onde vêem. Produtos biológicos estrangeiros podem ter custado cinco vezes mais emissões que os produtos locais, devido ao seu transporte até nós.

Ou seja: tenta escolher biológico e local ao mesmo tempo. Com algum cuidado, verás que é possível.

Conheces bons sítios/mercados onde se possa encontrar bons produtos biológicos? Conta-nos deixando um comentário.

h1

Sê um consumidor inteligente

05/03/2010

Menos coisas produzidas e consumidas = menos emissões = menos mal para o clima.
Por isso compra coisas de alta qualidade que durem, repara coisas estragadas em vez de as deitares fora.
Compra e vende coisas em segunda-mão ou pede emprestado aos teus vizinhos e amigos.

Queremos completar esta dica.
Conheces algumas lojas que aceitem/vendam coisas em 2ª mão? Conta-nos adicionando um comentário a esta dica.
Lembras-te de alguns exemplos claros de produtos que normalmente compramos/consumimos apesar de haver uma alternativa muito melhor e durável? Conta-nos adicionando um comentário a esta dica.

h1

Precisas mesmo de levar o carro?

02/03/2010

Antes de pegares na chave do carro para ires a algum destino, não deixes de pensar nas seguintes perguntas, uma por uma, seguindo a ordem:

1) É assim tão longe para ires a pé ou de bicicleta?
Se tens dúvidas, consulta o itinerário a pé no google maps. (Escolhe “Obter direcções”, indica o ponto de partida e o destino, escolhe opção “A pé”.) Uma viagem que demore até 15 min a pé é perfeitamente razoável e saudável para a maioria das pessoas. A bicicleta idem.

2) Como é a alternativa para chegar ao mesmo sítio por transportes públicos?
Lembra-te que ir de transportes é muito mais amigo do ambiente que levares o carro, além de que te permite aproveitar grande parte do tempo da viagem para leres ou trabalhares. E, já agora, mais barata na maioria dos casos.
Se a alternativa do transporte público demorar até 50% mais tempo que por carro, opta pela primeira. Estas vantagens claramente compensam esse tempo – que não é tempo perdido!
Em Lisboa, podes usar o mesmo google maps para saber como chegar por transportes públicos. (Escolhe “Obter direcções”, indica o ponto de partida e o destino, escolhe opção “Transportes públicos”.)
Da nossa experiência, o tempo estimado pelo google maps para transportes em Lisboa é muito realista, e raramente se engana.
Se a viagem incluir a periferia de Lisboa, o google maps não sabe responder, mas o Transporlis deverá saber.
(Conheces sites destes para outras cidades em Portugal? Diz-nos quais para completarmos esta informação.)

3) Se a alternativa de transportes não te serve para esse percurso, pergunta a ti próprio se no destino terás lugar para estacionar e quanto pagarás por isso.
O tempo da viagem por carro inclui a procura de um lugar de estacionamento legal – chegar ao sítio e estacionar em cima do passeio ou passadeira prejudica em muito os peões (nos quais tu te incluis). Se, somando o tempo da viagem + tempo para procurar lugar autorizado para estacionar a opção do carro demorar quase tanto (ou mais) que a opção transportes públicos, pondera a opção dos transportes públicos. Ou, se nenhuma for aceitável, pensa num táxi.

estacionamento ilegal

4) Se o carro for a única alternativa viável para o teu trajecto, não consegues partilhar a boleia com mais pessoas?
Não há mais ninguém que conheças que vai para o mesmo sítio nessa altura? Por exemplo, colegas teus de trabalho que também entrem à mesma hora? Mesmo que o ponto de partida seja diferente, um pode ir ter ao sítio onde está o carro do outro (a pé ou de transportes) e então partem de carro.
Mesmo não conhecendo ninguém, sabias que há sites onde podes encontrar outras pessoas que estão dispostas a partilhar carro (e despesas) nos seus trajectos? Por exemplo, o CarPool, o GalpShare ou o deBoleia.

Outras alternativas:
– Sistema de partilha de carro da Carris: http://www.mobcarsharing.pt/pt/
– Muitas empresas têm transportes colectivos que periodicamente recolhem os empregados em locais com boa acessibilidade para depois os levar e para o escritório, e volta. Por exemplo, muitas empresas/instituições com instalações em Oeiras oferecem transporte de e para Lisboa (por exemplo, Instituto Superior Técnico, PT ou ISQ).

h1

Não deites óleo da cozinha pelo ralo

01/03/2010

O óleo de cozinha, desde o óleo que sobra das frituras àquele que escorremos das latas de atum, nada tem de inocente. Segundo a APA, um litro de óleo doméstico deitado no ralo da banca da cozinha chega a contaminar, de uma só vez, um milhão de litros de água.
Mais: quando os óleos são deitados pelo ralo e acabam na conduta do prédio, a acumulação de gorduras causa problemas nas próprias instalações dos edifícios. E quando entram nas estações de tratamento de águas residuais são mais um resíduo que tem de ser removido, o que acrescenta despesa no tratamento suplementar.
Finalmente, quando chegam aos rios, não deixam de ser um produto que não é natural. Apesar de não ser um produto perigoso como o óleo das oficinas, aumenta a carga orgânica de tal forma que leva à falta de oxigénio para a vida aquática.

Por isso:

Não deites óleos de cozinha pelo ralo. Reserva uma garrafa ou garrafão de plástico antigo para, com um funil, recolheres todo o óleo que sobra de frituras, de conservas em lata, etc.
– Quando a garrafa estiver cheia, procura um oleão perto de tua casa, onde poderás deitar a tua garrafa para que o óleo seja reciclado.
Também podes deixar a garrafa num dos milhares de restaurantes/cafés em todo o país que recebem óleo para reciclar. Certamente haverá um perto de ti. Vê a lista de restaurantes aderentes aqui.
– No caso remoto de não teres nenhum ponto de recolha perto de casa, deita a garrafa no caixote do lixo (indiferenciado) da tua cozinha. Desta forma não reciclas o óleo, mas pelo menos não o atiras para as condutas que no final irão chegar aos rios. Poupas assim problemas de entupimentos na tua casa/prédio e poluis menos a água dos rios.

um oleão

fonte: Público/Quercus

h1

Rolhas de cortiça, vinho bom

27/02/2010

Na compra de vinho, escolhe garrafas com rolha de cortiça.

Há hoje alguma discussão sobre qual alternativa é melhor para um bom vinho, mas não há dúvidas sobre os seguintes factos:
– a qualidade de uma rolha de cortiça de qualidade é superior à de uma cápsula de alumínio;
– o fabrico de rolhas de cortiça emite quatro vezes menos CO2 para a atmosfera do que a produção de cápsulas de alumínio;
– a cortiça, durante o seu crescimento no sobreiro, absorve CO2; estima-se que o montado de sobreiros, um dos ecossistemas mais ricos em biodiversidade do continente europeu, absorve por ano 4,8 milhões de toneladas de CO2;
– a cortiça é muito menos nociva para o ambiente e pode ser reutilizada para, por exemplo, isolamentos de construção que substituem e se tornam mais competitivos em relação aos seus equivalentes sintéticos menos amigos do ambiente;

Mais informações aqui.

Mais: há um projecto de reciclagem de rolhas chamado Green Cork, que usa o dinheiro ganho da reutilização das rolhas recolhidas para plantar árvores em Portugal. Podes entregar as rolhas em qualquer Continente ou Dolce Vita.